Lisaac

Sementes de vida, ������© tempo de semear

«

»

ago 05

SEMANÁRIO DOMINICAL – JESUS É O PÃO DA VIDA

PAULO DAHER - 2018

18º. DOMINGO COMUM – JESUS É O PÃO DA VIDA –

*Por Monsenhor Paulo Daher –

NO LIVRO DO ÊXODO 16, 2-4. 12-15, o povo murmurou contra Moisés por estava morrendo de fome em lugar deserto, quando no Egito tinham tudo. Deus ouviu as  murmurações do povo e fez chover sobre eles codornizes e pela manhã orvalho em forma de grãos, o maná. Moisés disse ao povo: “isto é o pão que o Senhor lhes dá como alimento.” 

A criança quando nasce, seu primeiro grito é sinal de fome. A vida física pede alimento. Podemos até dizer que exige. Fala muito alto quando falta a alimentação.

Quando Moisés com muitos milagres livrou o povo judeu da escravidão no Egito e o levou para a Terra Prometida por Deus, se firmou na fé na Palavra e Promessa de Deus.

O povo de Deus saíra da escravidão do Egito, e eram milhares. Levaram o que puderam. Chegou o momento em que começou a faltar comida. Além da fome, lembravam-se das cebolas, carnes e pão que tinham bem ou mal lá como escravos. E agora? A fome falou alto. Reclamaram. Moisés pediu a Deus. E o Senhor mandou-lhes carne de codornizes e maná, espécie de farinha para pão.  O homem propõe e Deus dispõe...

A movimentação da saída do povo judeu do Egito aparentemente foi loucura. Milhares e milhares de pessoas: adultos e crianças, levando o que podiam, pertences, animais, sem saber quanto tempo duraria tal aventura na qual Deus orientava Moisés.

Foram na fé, sem lhes ser revelado como tudo aconteceria.

Quando a fome em lugar deserto se manifestou, entendemos a confusão do povo: e agora? Onde estamos? Para onde vamos? Sem água, sem comida... era exigência da fé no Deus verdadeiro.

A fé às vezes coloca-nos em situação difícil para o entendi-mento humano. Mas Deus é poderoso e sabe qual a melhor solução. Temos de confiar em seu amor fel de Pai para com todos nós.

NA CARTA AOS EFÉSIOS 4, 17.20-24, o apóstolo aconselha aos cristãos desta cidade que não continuem com a vida que tinham antes. Jesus ensinou a renunciar ao homem velho que se deixa enganar por suas paixões. Pede que se renovem como o homem novo à luz de Deus em justiça e santidade.

Homem velho, homem novo, são expressões frequentes na Palavra de Deus.

Homem velho é quando nos habituamos a seguir mais nossas vontades e desejos esquecendo-nos do que é o melhor que Deus reserva para nós

Homem novo, podemos dizer é o homem renovado, refeito, fortalecido pelas graças do Senhor.

Porque seguindo o que é mais fácil, e que dá-nos mais o prazer do momento, pensamos que nossa vida é eterna juventude...

E não é. Quando nos alimentamos só ou mais com nossas escolhas que dão prazer no momento, envelhecemos rapidamente. É como na alimentação: seguir nossa satisfação no comer e beber pode dar-nos a impressão de juventude, de vida, de saúde.

Muitas vezes causa-nos doenças e mal estar. Envelhecemos.

A justiça e santidade é o equilíbrio de viver a vida humana com suas alegrias mas sem exagero, nem egoísmos, nem satisfações passageiras.

A graça e o amor de Deus são luz, força e guia para nossa eterna juventude.

EM JOÃO 6, 24-35, Jesus atravessou o lago e encontrou uma grande multidão que o procurava. Ele afirma: “ vocês vem atrás de mim porque se alimentaram com o pão que  lhes dei. Busquem mais o alimento que os leva à vida eterna que o Pai quer lhes dar.” Perguntam: “que devemos fazer?” Jesus diz: “que acreditem naquele que o Pai enviou...” Relembram de Moisés que lhes deu o maná no deserto. E Jesus pede que acreditem que o verdadeiro pão é o Pai que lhes dará. Pedem: “dá-nos sempre deste pão.” E Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede.”

O pão de cada dia que pedimos a Deus no Pai nosso, pode ser o alimento de que precisamos para sobreviver.

Mas ele é também imagem de outro pão que alimenta nossa mente e coração que é a Palavra de Deus.

E Jesus ainda promete que Ele quer ser o nosso Pão. E Pão que dá vida. Vida humana na paz, alegria, união. E pão da presença do próprio Cristo a iluminar nossa vida. Foi Ele mesmo que disse que Ele era a luz do mundo, a luz para nossa vida. O dia sem ocaso de sua presença amorosa participando sempre de nossa vida.

Começamos com querer estar com Ele para ouvi-lo e seguir suas orientações. Sua presença é muito mais forte que a presença de uma mãe para seu filho pequeno.

A vida dos santos nos apresenta como Jesus trabalha nos corações e na vida de quem pensa nele, busca estar com Ele, ser mensageiro de sua Palavra para outras pessoas. E mais ainda, pois quem segue Jesus é iluminado por sua Luz que fala alto às pessoas que precisam conhecê-Lo e amá-Lo.

___________________________________________________

* Monsenhor Paulo Daher é Vigário Geral da Diocese de Petrópolis, e colabora enviando gentilmente seus comentários aos textos litúrgicos da semana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Apoio: