Lisaac

Sementes de vida, ������© tempo de semear

«

»

out 28

REFLETINDO SOBRE A PALAVRA

LUDOVICO GARMUS

30º DOMINGO DO TEMPO COMUM – TU ÉS MEU FILHO, EU HOJE TE GEREI –

*Por Frei Ludovico Garmus, Ofm –

ORAÇÃO: “Deus eterno e todo-poderoso, aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade e dai-nos amar o que ordenais para conseguirmos o que prometeis”.

1. PRIMEIRA LEITURA: Jr 31,7-9

Os cegos e aleijados, suplicantes, eu os receberei.

O profeta Jeremias era de Anatot, um vilarejo da tribo de Benjamim, a 7km de Jerusalém, pertencente ao antigo reino de Israel. Quando sua capital foi destruída pelos assírios, muitos israelitas se refugiaram no reino de Judá. Jeremias foi chamado a ser profeta cem anos depois, durante o reinado de Josias. Neste tempo Judá se tornou um reino independente e reconquistou grande parte do território até então dominado pelo decadente Império Assírio. À luz desses acontecimentos, em nome de Deus, Jeremias conclama os ouvintes a cantarem um cântico de suplicante alegria: “Salva, Senhor, teu povo, o resto de Israel”. Mas é um resto que põe sua esperança no socorro divino: Entre eles, por um lado, há cegos e aleijados que representam um povo abatido, salvo por Deus; por outro lado, mulheres grávidas e as que já deram à luz, portanto, promessas de uma vida nova. É uma verdadeira multidão, chorando de alegria no retorno à sua terra. Ali os espera Deus, pai amoroso de Israel, para abraçá-los como a um filho primogênito.

A liturgia de hoje nos apresenta Cristo como o verdadeiro restaurador de Israel, aquele que traz a salvação para todos. A cura do cego de Jericó revela o amor de Deus para com todos, especialmente os mais pobres e desprotegidos. Bartimeu representa os “cegos e aleijados” de Jeremias, os pobres ameaçados em sua vida. (Evangelho).

SALMO RESPONSORIAL: Sl 125

Maravilhas fez conosco o Senhor, exultemos de alegria.

2. SEGUNDA LEITURA: Hb 5,1-6

Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedec.

Domingo passado a Carta aos Hebreus falava do sacerdócio de Jesus como superior ao do sumo-sacerdote judaico. Cristo é o sumo-sacerdote, o sumo pontífice por excelência porque faz a ponte entre Deus e a humanidade. O texto de hoje continua o pensamento. Como sumo-sacerdote, Jesus tem compaixão de seu povo e se oferece em sacrifício por todos. Foi o próprio Deus que o escolheu como sumo-sacerdote ao dizer: “Tu és meu Filho, eu hoje te gerei”. O Filho de Deus assume a nossa humanidade pela encarnação. Fez-se solidário com toda a humanidade em tudo, menos no pecado, por isso é capaz de compadecer-se de nossas fraquezas. Em Jesus de Nazaré é o próprio Filho de Deus que se vem até nós, para nos aproximar do Pai e conceder-nos a graça de sua misericórdia.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

Jesus Cristo, Salvador, destruiu o mal e a morte;

fez brilhar, pelo Evangelho, a luz e a vida imperecíveis.

3. EVANGELHO: Mc 10,46-52

Mestre, que eu veja!

Há mais de dois meses estamos ouvindo trechos do evangelho de Marcos. Eles fazem parte dos ensinamentos de Jesus aos discípulos e ao povo, durante a viagem da Galileia para Jerusalém. Esta viagem começa após a cura, em dois tempos, do cego de Betsaida (Mc 8,21-26) e termina após a cura de outro cego, em Jericó. No início da viagem Jesus havia perguntado quem o povo e os discípulos diziam que ele era. Pedro confessou que Jesus é o Cristo, isto é, o Ungido do Senhor, que todos esperavam. A partir daí Jesus começa a ensinar, sobretudo, aos discípulos. O ponto fundamental do ensinamento era que o Filho do Homem (Jesus) seria entregue aos sumos sacerdotes e condenado à morte. Pedro contestou a Jesus por pensar assim, mas foi severamente repreendido pelo Mestre (Mc 8,31-33). Jesus ensina também que seus discípulos deveriam seguir seu exemplo, abraçar a própria cruz e estar dispostos a perder sua vida por amor a Cristo e pelo Evangelho. O anúncio da paixão repetiu-se mais duas vezes, sempre seguido por um ensinamento aos discípulos e ao povo. Mas enquanto Jesus falava do Reino de Deus como um serviço de amor, eles buscavam o poder e discutiam entre si quem deles seria o maior no reino, em Jerusalém. Estavam surdos à mensagem de Jesus e precisavam ser curados de sua cegueira.

O Evangelho de hoje mostra Jesus saindo de Jericó para a última etapa da viagem a Jerusalém, acompanhado pelos “discípulos e uma grande multidão”. Os discípulos planejavam aclamar Jesus como rei, o Messias filho de Davi. Mas havia um cego que pedia esmolas à beira da estrada. Ouvindo que era Jesus que passava, ele começou a gritar com insistência: “Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim”! As pessoas ao seu redor mandaram que se calasse. Para eles, o plano de aclamar Jesus como rei era mais urgente. Não podia ser interrompido por um pedinte cego. Jesus, porém, escutou os gritos do cego, parou e mandou chamá-lo. Só então o povo se solidariza com Bartimeu e diz: “Coragem, levanta-te, Jesus te chama”! E o cego larga o manto de pedinte e de um salto chega até Jesus. Para testar a fé do cego Jesus lhe pergunta: “O que queres que eu te faça”? O cego responde: “Mestre, que eu veja”! Como em outros milagres, Jesus lhe diz: “Vai, a tua fé te curou”. Ao ser curado, Bartimeu experimentou a misericórdia de Deus. Sentiu que Jesus o chamava como seu discípulo e pôs-se a segui-lo pelo caminho. Jesus curou sua cegueira física e abriu-lhe os olhos da fé. Os discípulos, no entanto, continuavam cegos, apesar de todos os ensinamentos recebidos entre as duas curas de cegos. Pedro confessou que Jesus era o Cristo, mas, como outros apóstolos, continuava cego ao seu projeto de Messias, Servo Sofredor. O cego clamou a Jesus, filho de Davi, e viu nele o Messias Salvador misericordioso, capaz de compadecer-se dos sofredores.

Na primeira parte da Missa Jesus nos alimentou com os fartos alimentos de seus ensinamentos. Agora, na Mesa da Eucaristia, Cristo quer nos alimenta com seu amor. Peçamos-lhe que cure nossa cegueira e abra os olhos de nossa fé, para podermos segui-lo sempre como discípulos.

_____________________________________________________

*Frei Ludovico Garmus é Doutor em Exegese Bíblica, Professor de Exegese no Instituto Teológico Franciscano-ITF, em Petrópolis, escritor, conferencista e colabora com o nosso Blog, autorizando a reprodução de textos e de reflexões de sua autoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Apoio: