Lisaac

Sementes da Palavra, É tempo de semear

Arquivo por categoria: JÁ PUBLICADO

mar 26

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

BÍBLIA PARA A QUARESMA - 2

3ª SEMANA DA QUARESMA – TERÇA-FEIRA – 26/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DA PROFECIA DE DANIEL – (Dn  3,25.34-43) – Naqueles dias, 25Azarias parou e, de pé, começou a rezar; abrindo a boca no meio do fogo, disse: 34“Oh! não nos desampares nunca, nós te pedimos; por teu nome, não desfaças tua aliança 35nem retires de nós tua benevolência, por Abraão, teu amigo, por Isaac, teu servo, e por Israel, teu santo, 36aos quais prometeste multiplicar a descendência como estrelas do céu e como areia que está na beira do mar. 37Senhor, estamos hoje reduzidos ao menor de todos os povos, somos hoje o mais humilde em toda a terra, por causa de nossos pecados; 38neste tempo estamos sem chefes, sem profetas, sem guia, não há holocausto nem sacrifício, não há oblação nem incenso, não há um lugar para oferecermos em tua presença as primícias e encontrarmos benevolência; 39mas, de alma contrita e em espírito de humildade, sejamos acolhidos, e como nos holocaustos de carneiros e touros, 40e como nos sacrifícios de milhares de cordeiros gordos, assim se efetue hoje nosso sacrifício em tua presença, e tu faças que nós te sigamos até o fim; não se sentirá frustrado quem põe em ti sua confiança. 41De agora em diante, queremos, de todo o coração, seguir-te, temer-te, buscar tua face; 42não nos deixes confundidos, mas trata-nos segundo a tua clemência e segundo a tua imensa misericórdia; 43liberta-nos com o poder de tuas maravilhas e torna teu nome glorificado, Senhor”. 

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 18,21-35

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” 22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o reino dos céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, trouxeram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida. 26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei tudo’. 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’. 29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo! E eu te pagarei’. 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia. 31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’ 34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.   

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 25

EDITORIAL DA SEMANA: ASPECTOS DA TEOLOGIA MORAL

VINDE A MIM TODOS VÓS

TEOLOGIA MORAL: A CHAVE PARA UMA VIDA MAIS COMPLETA E MAIS FELIZ –

*Por Luiz Antonio de Moura – 

Uma das maiores e mais persistentes preocupações de carrego comigo a vida toda está relacionada com a disseminação do conhecimento. Nunca me conformei com a dificuldade de acesso ao conhecimento e, principalmente, quando esta dificuldade ocorre de forma premeditada por aqueles que, detentores do saber, fazem-se de bobos ou de desentendidos, deixando incontável número de pessoas presas, e até certo ponto acorrentadas, à ignorância. Isso, em relação a todas as áreas do conhecimento.

Muito do que aprendi, e do que ainda aprendo, no meio acadêmico, seja na área do direito, minha primeira graduação, ou mesmo na da teologia, minha paixão eterna, procuro divulgar por meio de sugestões e de opiniões para as pessoas, a fim de que elas possam ter, ao menos, uma pequena noção sobre assuntos cuja ignorância traz, não raro, sofrimentos, prejuízos e, posso dizer, até um certo esmagamento espiritual, em virtude, principalmente, dos sentimentos de culpa e de arrependimento que, ainda que bem camuflados no mais profundo do ser, trazem angústias imensuráveis a todos nós seres humanos.

Por estas razões, resolvi abordar aqui e agora o tema que, para mim, é o do momento: a teologia moral! É claro que não pretendo, neste curto espaço, dar aula sobre o assunto, o que demandaria a escrituração e o detalhamento de enormes e espessos volumes, mas, quero, apenas e tão somente, comentar certos aspectos de um ramo da teologia ao qual venho me dedicando com mais afinco a cada dia, justamente, por entendê-lo portador de enorme potencial libertário, por envolver, para nós cristãos fieis e fervorosos, temas como pecado, culpa, arrependimento e possibilidades de reconciliação.

Sejam quais forem os melhores e mais apropriados conceitos destacados para cada um dos temas indicados – pecado, culpa, arrependimento e reconciliação – o fato é que caminhamos por uma estrada na qual somos espremidos, de um lado, pelos mandamentos compilados na Lei de Moisés, sobre os quais Jesus disse ter vindo para, além de cumpri-los, também, aperfeiçoá-los e, por outro lado, com as exigências impostas pelas religiões e seus dotes fundamentalistas, além das concepções trazidas pelo século presente que, vítima do mal do relativismo, apregoa justamente a inexistência ou a não importância dos temas em destaque. Ou seja, para o mundo pós-moderno, questões como pecado e culpa, por exemplo, estão superadas pelo tempo. Arrependimento é ato personalíssimo que, portanto, só aprisiona os mais antigos e ultraconservadores. Reconciliação, então, nem se fala. Diversos setores eclesiásticos, por seu turno, impõem verdadeiras e pesadas correntes sobre os que ousam levar-lhes seus pesares com a vida ou mostrar-lhes os insuportáveis fardos que carregam na alma.

Em meio a toda esta barafunda, o verdadeiro cristão, aquele que procura seguir de perto as pegadas do Mestre Jesus, caminha com bastante dificuldade, porque, ora é oprimido por deixar de fazer ou de praticar atos que acredita fazerem-no um pouco mais feliz, ora sente-se esmagado pelo sentimento de culpa ou mesmo pelo arrependimento que, neste caso, pode ser pela ação ou pela omissão.

A teologia moral não vem derrubar muralhas, nem abrir fronteiras inimagináveis, mas, vem trazer alento aos corações e aos espíritos cansados e aflitos, aos quais Jesus se dirige dizendo: “vinde a mim todos vós que estais cansados e aflitos, e eu vos aliviarei” (Mt 11, 28-30). E a teologia moral traz esse alento, justamente, por estar solidamente fundamentada na pessoa, na ação, nos gestos e nas palavras de Jesus que, se de um lado afirma ter vindo para, além de cumprir a lei, aperfeiçoá-la, também declara querer misericórdia e não, sacrifícios, chamando para si todos os cansados e fatigados, para o necessário e refrescante bálsamo do carinhoso acolhimento, para a oitiva da palavra suave, mansa e curadora e para a (re)descoberta, principalmente, do perdão, com possibilidades de seguir adiante, em paz e de forma serena.

É com base nestas fórmulas evangélicas, e não em simples achismos, que autores moralistas consagrados, como  Bernhard Haering, Marciano Vidal, Josef Fuchs, Klaus Demmer, Antonio Moser, Bernardino Leers e Eduardo López Azpitarte, por exemplo (existem muitos outros) tratam de questões como o pecado, nas mais diversas formas, como a sexualidade e a homossexualidade, com todos os seus desdobramentos, e como a culpa, o arrependimento e a reconciliação. São teólogos como estes, sem esquecer José Maria Castillo, Paula Fredriksen e Tereza Rodrigues Vieira, que vão traçar para todos nós o caminho seguro e sem curvas que leva direto para Jesus que, verdadeiramente, é Aquele que tem o poder de libertar todas as criaturas dos inúmeros pesares que carregam em si e consigo.

A narrativa do Livro do Gênesis, sobre o fato de Adão, depois do pecado da desobediência, ter procurado ocultar-se da presença de Deus (Gn 3, 8), ainda se faz presente em nós e em nossas vidas, sempre que sentimos o manto sombrio do fato, do ato ou da omissão aproximarem-se do nosso ser, trazendo o terrível odor do sentimento de culpa ou de remorso. Em tais momentos e circunstâncias, é normal que busquemos o afastamento, e o consequente isolamento, dos oráculos do Senhor, em virtude da noção que temos, ainda que inconfessável, sobre o certo e o errado.

Assim, é no estudo e na pesquisa que envolvem a teologia moral que vamos encontrar as respostas adequadas para as nossas inquietações físicas, sociais, psicológicas e espirituais simplesmente porque ela responde a uma pergunta fundamental, que todo cristão deveria fazer-se o tempo todo: “o que Jesus faria em tal situação ou diante de tal problema ou dilema?”. Ao deixarmos de nos questionar a respeito da nossa adequação à imagem e ao agir de Jesus, na tentativa de, verdadeiramente, libertarmo-nos de todos os males, afundamos. E, afundados, nem sempre conseguimos emergir ou nos reerguer com a facilidade outrora imaginada. Daí, o caminho do vício, da depressão, da discórdia, do mal humor e, não raro, do suicídio aparecer como verdadeira “tábua de salvação” para quem já se considera irremediavelmente perdido.

A teologia moral, à luz das Escrituras, da doutrina e, também, do Magistério da Igreja, não deixa de enfrentar temas como a sexualidade, o celibato, a masturbação, a homossexualidade, a homoafetividade, com todos os seus desdobramentos, o matrimônio com os efeitos da conjugalidade e da procriação responsável, o divórcio e a situação dos recasados, o aborto e a eutanásia, além de questões sociais como a ética – social, moral e antropológica – e outras mais, decorrentes que são da natureza humana.

São aspectos que, uma vez conhecidos, trazem luz aonde imperam, muitas vezes, as trevas dos sentimentos que nos afastam do Deus cujos braços sempre estão abertos em toda a sua infinita extensão para nos receber com o maior carinho, compreensão, perdão e renovadas chances de reconciliação social, eclesial, física, psicológica e espiritual, vale dizer: a nossa própria reconstrução.

Mais adiante, vou listar os autores acima citados, com as respectivas obras, para que todos que tenham interesse possam adquiri-las para ampliarem o grau da necessária visão libertadora. A função primeira da teologia é sempre libertadora porque, conforme disse o Senhor: “Conhecereis a verdade, e ela vos tornará livres” (Jo 8, 32). Outra não é a intenção dos diversos autores indicados, senão levar para leitores, estudiosos e pesquisadores, no âmbito da teologia moral, diversos conhecimentos, entendimentos e interpretações, porém, somente um caminho: Jesus e sua inquestionável misericórdia.

Este texto, além de proposto para efeito de reflexão é, também, indutivo para a busca de novos conhecimentos acerca da fé e da forma pela qual temo-la vivido, se opressora ou libertadora. Portanto, considero estar cumprindo papel relevante ao incentivar as pessoas a buscarem, na leitura de autores consagrados, alguns dos quais já estão ao lado do Pai, uma maior e melhor compreensão da realidade humana. Realidade da qual nenhum de nós consegue fugir, porque é intrínseca à nossa própria natureza. Faça as leituras que puder, reflita, tire suas próprias conclusões e liberte-se de uma vez por todas. Seja feliz, e boa sorte!

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

AZPITARTE, Eduardo López – Culpa e Pecado – Responsabilidade e Conversão. Petrópolis. Vozes: 2005. 200 páginas.

____________Ética da Sexualidade e do Matrimônio. São Paulo. Paulus: 1997. 462 p.

CASTILLO, José Maria – A Humanidade de Jesus. 1ª Reimp. Petrópolis. Vozes: 2018. 130 páginas.

____________A Ética de Cristo. 2ª Reimp. São Paulo. Loyola: 2016. 213 páginas.

DEMMER, Klaus – Introdução à Teologia Moral – 2ª Ed. São Paulo. Loyola: 2007. 120 páginas.

FREDRIKSEN, Paula – Pecado – A História Primitiva de Uma Ideia. Petrópolis. Vozes: 2014. 245 páginas.

FUCHS, Josef – Existe uma Moral Cristã? – São Paulo. Paulinas: 1972. 242 páginas.

HAERING, Bernhard – Livres e Fieis em Cristo. 3 volumes. São Paulo. Paulinas: 1979.

LEERS, Bernardino – O Mistério da Reconciliação – Uma Ética Profissional Para Confessores. Petrópolis. Vozes: 1988. 216 páginas.

MOSER, Antonio – Casado ou Solteiro – Você pode ser feliz. 2ª Ed. Petrópolis. Vozes: 2007. 280 páginas.

_____________O Pecado – Do Descrédito ao Aprofundamento. 5ª Ed. Petrópolis. Vozes: 2012. 203 páginas.

RODRIGUES VIEIRA, Tereza (ORG.) – Bioética e Sexualidade. São Paulo. Jurídica Brasileira: 2004. 196 páginas.

VIDAL, Marciano – Nova Moral Fundamental – O Lar teológico da Ética. Aparecida-SP. Paulinas e Santuário: 2003. 912 páginas.

_____________Moral Cristã em tempos de relativismos e fundamentalismos. São Paulo. Santuário: 2014. 189 páginas.

______________________________________________________

*Luiz Antonio de Moura é um pensador espiritualista, um caminhante e um cultor do silêncio.

 

   

mar 25

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

BÍBLIA PARA A QUARESMA - 2

3ª SEMANA DA QUARESMA – SEGUNDA-FEIRA – 25/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO PROFETA ISAÍAS – (Is  7,10-14; 8,10) – Naqueles dias, 10o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11“Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. 12Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 13Disse o profeta: “Ouvi, então, vós, casa de Davi: será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, 8,10porque Deus está conosco”. 

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

SEGUNDA LEITURA:

LEITURA DA CARTA AOS HEBREUS – (Hb  10,4-10) –

Irmãos, 4é impossível eliminar os pecados com o sangue de touros e bodes. 5Por isso, ao entrar no mundo, Cristo afirma: “Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 6Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 7Por isso eu disse: Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade”. 8Depois de dizer: “Tu não quiseste nem te agradaram vítimas, oferendas, holocaustos, sacrifícios pelo pecado” – coisas oferecidas segundo a lei –, 9ele acrescenta: “Eu vim para fazer a tua vontade”. Com isso, suprime o primeiro sacrifício para estabelecer o segundo. 10É graças a essa vontade que somos santificados pela oferenda do corpo de Jesus Cristo, realizada uma vez por todas.

– Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 1,26-38

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e o nome da virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” 29Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível”. 38Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.   

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 24

A PALAVRA DO SACERDOTE

ZÉ MARIA-2

III DOMINGO DA QUARESMA – CONVERSÃO –

*Por Mons. José Maria Pereira –

O chamamento à conversão constitui o tema central do terceiro domingo da Quaresma.

O Profeta Ezequiel diz: “Convertei-vos, senão vós morrereis” (Ez 33,11). Deste modo uma questão se impõe: Que significa converter-se? Trata-se, antes de tudo, da conformidade das ações com a vontade divina, à qual cumpre uma adesão total. É a obediência da fé.

O Papa Bento XVI, assim se expressou: “converter-se significa não viver como todo mundo vive, não fazer o que todo mundo faz, não se sentir justificado fazendo ações duvidosas, ambíguas ou más pelo fato de que outros assim procedem; começar a olhar a própria vida com os olhos de Deus, portanto, procurar o bem, mesmo se isto contesta a sociedade. Não se submeter ao julgamento dos homens, mas, sim, à avaliação de Deus, ou em outras palavras: procurar um novo estilo de vida, uma vida nova”. Não se trata assim de um falso moralismo, mas de não se perder de vista a essência da mensagem de Cristo, mantendo firmemente o dom da nova amizade, o dom da comunhão com Jesus.

No Evangelho (Lc 13, 1-9) é forte o apelo à conversão: o texto fala de dois acontecimentos trágicos daqueles dias: a matança de Pilatos… e a queda da torre de Siloé: 18 mortos.

Jesus não concorda que a desgraça é sinal do castigo de Deus, pelo contrário, é um apelo de conversão aos sobreviventes: “Vocês pensam que eles eram mais pecadores do que vocês? Se vocês não se converterem, morrerão todos do mesmo modo…” (Lc 13, 2-3). Palavras severas que nos fazem compreender que, com Deus, não se pode brincar; e, no entanto, palavras que procedem do amor de Deus que, por todos os meios, quer a salvação de todas as suas criaturas.

A verdadeira sabedoria é deixar-se interpelar pela precariedade da existência e assumir uma atitude de responsabilidade: fazer penitência e melhorar a nossa vida. É esta a sabedoria, é esta a resposta mais eficaz ao mal, de qualquer tipo, interpessoal, social e internacional. Cristo convida a responder ao mal antes de tudo com um sério exame de consciência e com o compromisso de purificar a própria vida. Caso contrário, diz, morreremos, todos morreremos do mesmo modo. De fato, as pessoas e as sociedades que vivem sem nunca se questionarem têm como único destino final a ruína. A conversão, ao contrário, mesmo se não preserva dos problemas e das desventuras, permite enfrenta-los de “modo” diferente. Antes de tudo ajuda a prevenir o mal, cortando certas ameaças. E, contudo, permite vencer o mal com o bem, se nem sempre no plano dos fatos que por vezes são independentes da nossa vontade certamente no plano espiritual. Em síntese: a conversão vence o mal na sua raiz que é o pecado, mesmo se nem sempre pode evitar as suas consequências.

Conversão não é apenas uma penitência externa, ou um simples arrependimento dos pecados; é um convite à mudança de vida, de mentalidade, de atitudes, de forma que Deus e os seus valores passem a estar em primeiro lugar. Significa abraçar a Cruz!

Já ensinava o Mestre: “Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16,24). Não existe verdadeira conversão, nem autêntico seguimento do Senhor sem a Cruz. As palavras de Jesus Cristo têm plena vigência em todos os tempos, uma vez que foram dirigidas a todos os homens, pois quem não carrega a sua cruz e me segue – diz – nos Ele a cada um – não pode ser meu discípulo.

Carregar a Cruz – aceitar a dor e as contrariedades que Deus permite para nossa purificação, cumprir com esforço os deveres próprios, assumir voluntariamente a mortificação cristã – é condição indispensável para seguir o Mestre.

“Que seria de um Evangelho, de um cristianismo sem Cruz, sem dor, sem o sacrifício da dor?, perguntava-se São Paulo VI. Seria um Evangelho, um cristianismo sem Redenção, sem salvação, da qual – devemos reconhecê-lo com plena sinceridade temos necessidade absoluta. O Senhor salvou-nos por meio da Cruz; com a sua morte, devolveu-nos a esperança, o direito à vida…” Seria um cristianismo desvirtuado que não serviria para alcançar o Céu, pois “o mundo não pode salvar-se senão por meio da Cruz de Cristo” (São Leão Magno).

São Paulo escrevia que a Cruz é escândalo para os judeus, loucura para os gentios. E mesmo os cristãos, na medida em que perdem o sentido sobrenatural das suas vidas, não conseguem entender que só possamos seguir o Senhor através de uma vida de sacrifício, junto da Cruz.

O Cristão que vive fugindo sistematicamente do sacrifício, que se revolta com a dor, afasta-se também da santidade e da felicidade, que se encontra muito perto da Cruz, muito perto de Cristo Redentor. “Se não te mortificas, nunca serás alma de oração” (Caminho, 172). E Santa Teresa ensina: “Pensar que (o Senhor) admite na sua amizade gente regalada e sem trabalhos é disparate”.

Devemos perder o medo ao sacrifício, à mortificação voluntária, pois quem quer a Cruz para cada um de nós é um Pai que nos ama e que sabe o que mais nos convém.

O Senhor quer sempre o melhor para nós: “Vinde a mim todos os que estais fatigados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei…” (Mt 11,28). Ao lado de Cristo, as tribulações e penas não oprimem, não pesam, e, pelo contrário, levam a alma a orar, a ver a Deus nos acontecimentos da vida.

Rumo à Páscoa, o Senhor nos conceda a graça de uma verdadeira conversão!

Rezemos a Maria Santíssima, que nos acompanha e nos ampara no itinerário quaresmal, para que ajude cada cristão a redescobrir a grandeza, diria a beleza da conversão. Ajude-nos a compreender que fazer penitência e corrigir o próprio comportamento não é simples moralismo, mas o caminho mais eficaz para nos transformarmos em pessoas melhores, e também a sociedade. Expressa isso muito bem uma feliz sentença: acender um fósforo tem mais valor do que amaldiçoar a escuridão.

______________________________________________________

*Mons. José Maria Pereira, Sacerdote da Diocese de Petrópolis, é, também, Professor, Juiz do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Niterói e Diocesano de Petrópolis e Vigário da Paróquia de São José do Itamarati, enviando para o site, semanalmente, a homilia do domingo.

   

mar 24

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

BÍBLIA DE DOMINGO

3º DOMINGO DA QUARESMA – 24/03/2019 –

“Na Liturgia da Palavra vamos encontrar a força e o reforço necessários para a jornada que se apresenta diante de nós a cada manhã. Antes de iniciar as atividades do dia, leia atentamente as leituras sugeridas e reflita sobre a Palavra que aperfeiçoa individual e espiritualmente” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO ÊXODO – (Ex 3,1-8.13-15) –

Naqueles dias, 1Moisés apascentava o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Madiã. Levou, um dia, o rebanho deserto adentro e chegou ao monte de Deus, o Horeb. 2Apareceu-lhe o anjo do Senhor numa chama de fogo, do meio de uma sarça. Moisés notou que a sarça estava em chamas, mas não se consumia, e disse consigo: 3“Vou aproximar-me dessa visão extraordinária, para ver por que a sarça não se consome”. 4O Senhor viu que Moisés se aproximava para observar e chamou-o do meio da sarça, dizendo: “Moisés! Moisés!” Ele respondeu: “Aqui estou”. 5E Deus disse: “Não te aproximes! Tira as sandálias dos pés, porque o lugar onde estás é uma terra santa”. 6E acrescentou: “Eu sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó”. Moisés cobriu o rosto, pois temia olhar para Deus. 7E o Senhor lhe disse: “Eu vi a aflição do meu povo que está no Egito e ouvi o seu clamor por causa da dureza de seus opressores. Sim, conheço os seus sofrimentos. 8Desci para libertá-los das mãos dos egípcios e fazê-los sair daquele país para uma terra boa e espaçosa, uma terra onde corre leite e mel”. 13Moisés disse a Deus: “Sim, eu irei aos filhos de Israel e lhes direi: ‘O Deus de vossos pais enviou-me a vós’. Mas, se eles perguntarem: ‘Qual é o seu nome?’, o que lhes devo responder?” 14Deus disse a Moisés: “Eu sou aquele que sou”. E acrescentou: “Assim responderás aos filhos de Israel: ‘Eu sou’ enviou-me a vós”. 15E Deus disse ainda a Moisés: “Assim dirás aos filhos de Israel: ‘O Senhor, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó, enviou-me a vós’. Esse é o meu nome para sempre, e assim serei lembrado de geração em geração”.

– Palavra do Senhor!

– Graças a Deus.

SALMO RESPONSORIAL: 102(103)

R. O Senhor é bondoso e compassivo.

1. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores!

R. O Senhor é bondoso e compassivo.

2. Pois ele te perdoa toda culpa / e cura toda a tua enfermidade; / da sepultura ele salva a tua vida / e te cerca de carinho e compaixão.

R. O Senhor é bondoso e compassivo.

3. O Senhor é indulgente, é favorável, / é paciente, é bondoso e compassivo. / Quanto os céus por sobre a terra se elevam, / tanto é grande o seu amor aos que o temem.

R. O Senhor é bondoso e compassivo.

SEGUNDA LEITURA:

LEITURA DA PRIMEIRA CARTA DE SÃO PAULO AOS CORÍNTIOS (ICor 10,1-6.10.12)

1Irmãos, não quero que ignoreis o seguinte: os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem e todos passaram pelo mar; 2todos foram batizados em Moisés, sob a nuvem e pelo mar; 3e todos comeram do mesmo alimento espiritual, 4e todos beberam da mesma bebida espiritual; de fato, bebiam de um rochedo espiritual que os acompanhava – e esse rochedo era Cristo. 5No entanto, a maior parte deles desagradou a Deus, pois morreram e ficaram no deserto. 6Esses fatos aconteceram para serem exemplos para nós, a fim de que não desejemos coisas más, como fizeram aqueles no deserto. 10Não murmureis, como alguns deles murmuraram e, por isso, foram mortos pelo anjo exterminador. 12Portanto, quem julga estar de pé tome cuidado para não cair.

– Palavra do Senhor!

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lucas 13,1-9

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo † segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

1Naquele tempo, vieram algumas pessoas trazendo notícias a Jesus a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado, misturando seu sangue com o dos sacrifícios que ofereciam. 2Jesus lhes respondeu: “Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus por terem sofrido tal coisa? 3Eu vos digo que não. Mas, se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo. 4E aqueles dezoito que morreram quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensais que eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? 5Eu vos digo que não. Mas, se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”. 6E Jesus contou esta parábola: “Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi até ela procurar figos e não encontrou. 7Então disse ao vinhateiro: ‘Já faz três anos que venho procurando figos nesta figueira e nada encontro. Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?’ 8Ele, porém, respondeu: ‘Senhor, deixa a figueira ainda este ano. Vou cavar em volta dela e colocar adubo. 9Pode ser que venha a dar fruto. Se não der, então tu a cortarás”.

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

FONTE: https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 23

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

LEIA A BÍBLIA - 2019

2ª SEMANA DA QUARESMA – SÁBADO – 23/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DA PROFECIA DE MIQUÉIAS – (Mq  7,14-15.18-20) – 14Apascenta o teu povo com o cajado da autoridade, o rebanho de tua propriedade, os habitantes dispersos pela mata e pelos campos cultivados; que eles desfrutem a terra de Basã e de Galaad, como nos velhos tempos. 15E, como foi nos dias em que nos fizeste sair do Egito, faze-nos ver novos prodígios. 18Qual Deus existe, como tu, que apagas a iniquidade e esqueces o pecado daqueles que são resto de tua propriedade? Ele não guarda rancor para sempre, o que ama é a misericórdia. 19Voltará a compadecer-se de nós, esquecerá nossas iniquidades e lançará ao fundo do mar todos os nossos pecados. 20Tu manterás fidelidade a Jacó e terás compaixão de Abraão, como juraste a nossos pais, desde tempos remotos. 

 – Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 15,1-3.11-32

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então, Jesus contou-lhes esta parábola: 11“Um homem tinha dois filhos. 12O filho mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. 13Poucos dias depois, o filho mais novo juntou o que era seu e partiu para um lugar distante. E ali esbanjou tudo numa vida desenfreada. 14Quando tinha gasto tudo o que possuía, houve uma grande fome naquela região e ele começou a passar necessidade. 15Então foi pedir trabalho a um homem do lugar, que o mandou para seu campo cuidar dos porcos. 16O rapaz queria matar a fome com a comida que os porcos comiam, mas nem isso lhe davam. 17Então caiu em si e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18Vou-me embora, vou voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19já não mereço ser chamado teu filho. Trata-me como a um dos teus empregados’. 20Então ele partiu e voltou para seu pai. Quando ainda estava longe, seu pai o avistou e sentiu compaixão. Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos. 21O filho, então, lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. 22Mas o pai disse aos empregados: ‘Trazei depressa a melhor túnica para vestir meu filho. E colocai um anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23Trazei um novilho gordo e matai-o. Vamos fazer um banquete. 24Porque este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’. E começaram a festa. 25O filho mais velho estava no campo. Ao voltar, já perto de casa, ouviu música e barulho de dança. 26Então chamou um dos criados e perguntou o que estava acontecendo. 27O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo, porque o recuperou com saúde’. 28Mas ele ficou com raiva e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. 29Ele, porém, respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua. E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. 30Quando chegou esse teu filho, que esbanjou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho cevado’. 31Então o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”.  

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 22

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

LEIA A BÍBLIA - 2019

2ª SEMANA DA QUARESMA – SEXTA-FEIRA – 22/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO GÊNESIS – (Gn  37,3-4.12-13.17-28) – 3Israel amava mais a José do que a todos os outros filhos, porque lhe tinha nascido na velhice. E por isso mandou fazer para ele uma túnica de mangas longas. 4Vendo os irmãos que o pai o amava mais do que a todos eles, odiavam-no e já não lhe podiam falar pacificamente. 12Ora, como os irmãos de José tinham ido apascentar o rebanho do pai em Siquém, 13disse Israel a José: “Teus irmãos devem estar com os rebanhos em Siquém. Vem, vou enviar-te a eles”. 17Partiu, pois, José atrás de seus irmãos e encontrou-os em Dotaim. 18Eles, porém, tendo-o visto ao longe, antes que se aproximasse, tramaram a sua morte. 19Disseram entre si: “Aí vem o sonhador! 20Vamos matá-lo e lançá-lo numa cisterna, depois diremos que um animal feroz o devorou. Assim veremos de que lhe servem os sonhos”. 21Rúben, porém, ouvindo isso, disse-lhes: 22“Não lhe tiremos a vida!” E acrescentou: “Não derrameis sangue, mas lançai-o naquela cisterna do deserto e não o toqueis com as vossas mãos”. Dizia isso porque queria livrá-lo das mãos deles e devolvê-lo ao pai. 23Assim que José chegou perto dos irmãos, estes despojaram-no da túnica de mangas longas, pegaram nele 24e lançaram-no numa cisterna que não tinha água. 25Depois, sentaram-se para comer. Levantando os olhos, avistaram uma caravana de ismaelitas que se aproximava, proveniente de Galaad. Os camelos iam carregados de especiarias, bálsamo e resina, que transportavam para o Egito. 26E Judá disse aos irmãos: “Que proveito teríamos em matar nosso irmão e ocultar o seu sangue? 27É melhor vendê-lo a esses ismaelitas e não manchar nossas mãos, pois ele é nosso irmão e nossa carne”. Concordaram os irmãos com o que dizia. 28Ao passarem os comerciantes madianitas, tiraram José da cisterna e, por vinte moedas de prata, o venderam aos ismaelitas; e estes o levaram para o Egito. 

 – Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 21,33-43.45-46

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, dirigindo-se Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo, disse-lhes: 33“Escutai esta outra parábola: certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois, arrendou-a a vinhateiros e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos. 35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro e ao terceiro apedrejaram. 36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma. 37Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’. 38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?” 41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”. 42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isto foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos’? 43Por isso eu vos digo, o reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”. 45Os sumos sacerdotes e fariseus ouviram as parábolas de Jesus e compreenderam que estava falando deles. 46Procuraram prendê-lo, mas ficaram com medo das multidões, pois elas consideravam Jesus um profeta.  

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 21

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

LEIA A BÍBLIA - 2019

2ª SEMANA DA QUARESMA – QUINTA-FEIRA – 21/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO PROFETA JEREMIAS – (Jr  17,5-10) – 5Isto diz o Senhor: “Maldito o homem que confia no homem e faz consistir sua força na carne humana, enquanto o seu coração se afasta do Senhor; 6como os cardos no deserto, ele não vê chegar a floração, prefere vegetar na secura do ermo, em região salobra e desabitada. 7Bendito o homem que confia no Senhor, cuja esperança é o Senhor; 8é como a árvore plantada junto às águas, que estende as raízes em busca de umidade, por isso não teme a chegada do calor: sua folhagem mantém-se verde, não sofre míngua em tempo de seca e nunca deixa de dar frutos. 9Em tudo é enganador o coração, e isso é incurável; quem poderá conhecê-lo? 10Eu sou o Senhor, que perscruto o coração e provo os sentimentos, que dou a cada qual conforme o seu proceder e conforme o fruto de suas obras”. 

 – Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Lc 16,19-31

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias. 20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas. 22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’. 25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós e nem os daí poderiam atravessar até nós’. 27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. 29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’ 30O rico insistiu: ‘Não, pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. 31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés nem aos profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos’”.  

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 20

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

LEIA A BÍBLIA - 2019

2ª SEMANA DA QUARESMA – QUARTA-FEIRA – 20/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO LIVRO DO PROFETA JEREMIAS – (Jr  18,18-20) – Naqueles dias, 18disseram eles: “Vinde para conspirarmos juntos contra Jeremias; um sacerdote não deixará morrer a lei; nem um sábio, o conselho; nem um profeta, a palavra. Vinde para o atacarmos com a língua, e não vamos prestar atenção a todas as suas palavras”. 19Atende-me, Senhor, ouve o que dizem meus adversários. 20Acaso pode-se retribuir o bem com o mal? Pois eles cavaram uma cova para mim. Lembra-te de que fui à tua presença para interceder por eles e tentar afastar deles a tua ira. 

 – Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 20,17-28

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 17enquanto Jesus subia para Jerusalém, ele tomou os doze discípulos à parte e, durante a caminhada, disse-lhes: 18“Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do homem será entregue aos sumos sacerdotes e aos mestres da lei. Eles o condenarão à morte 19e o entregarão aos pagãos para zombarem dele, para flagelá-lo e crucificá-lo. Mas no terceiro dia ressuscitará”. 20A mãe dos filhos de Zebedeu aproximou-se de Jesus com seus filhos e ajoelhou-se com a intenção de fazer um pedido. 21Jesus perguntou: “O que tu queres?” Ela respondeu: “Manda que estes meus dois filhos se sentem, no teu reino, um à tua direita e outro à tua esquerda”. 22Jesus, então, respondeu-lhes: “Não sabeis o que estais pedindo. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber?” Eles responderam: “Podemos”. 23Então Jesus lhes disse: “De fato, vós bebereis do meu cálice, mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. Meu Pai é quem dará esses lugares àqueles para os quais ele os preparou”. 24Quando os outros dez discípulos ouviram isso, ficaram irritados contra os dois irmãos. 25Jesus, porém, chamou-os e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações têm poder sobre elas e os grandes as oprimem. 26Entre vós não deverá ser assim. Quem quiser tornar-se grande torne-se vosso servidor; 27quem quiser ser o primeiro seja vosso servo. 28Pois o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em favor de muitos”.  

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

  FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

mar 19

LEITURAS SUGERIDAS PARA O DIA

LEIA A BÍBLIA - 2019

2ª SEMANA DA QUARESMA – TERÇA-FEIRA – 19/03/2019 –

“No Tempo da Quaresma, a Liturgia da Palavra se faz presente com mais força e maior impacto em nossas vidas, pois, no período, somos convidados a caminhar com Jesus por um deserto que, longe de impor-nos jejum e provações, vai nos conduzir ao verdadeiro e único caminho que, ao final, tudo supera e faz prevalecer a vida, e vida em abundância” –

PRIMEIRA LEITURA:

LEITURA DO SEGUNDO LIVRO DE SAMUEL – (IISm  7,4-5.12-14.16) – Naqueles dias, 4a palavra do Senhor foi dirigida a Natã nestes termos: 5“Vai dizer ao meu servo Davi: ‘Assim fala o Senhor: 12Quando chegar o fim dos teus dias e repousares com teus pais, então suscitarei, depois de ti, um filho teu e confirmarei a sua realeza. 13Será ele que construirá uma casa para o meu nome, e eu firmarei para sempre o seu trono real. 14Eu serei para ele um pai, e ele será para mim um filho. 16Tua casa e teu reino serão estáveis para sempre diante de mim, e teu trono será firme para sempre’”. 

 – Palavra do Senhor.     

– Graças a Deus.

SEGUNDA LEITURA:

LEITURA DA CARTA DE SÃO PAULO AOS ROMANOS (Rm 4,13.16-18.22)

Irmãos, 13não foi por causa da lei, mas por causa da justiça que vem da fé, que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência. 16É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à lei quanto para a que se apoia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós. 17Pois está escrito: “Eu fiz de ti pai de muitos povos”. Ele é pai diante de Deus porque creu em Deus, que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia. 18Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: “Assim será a tua posteridade”. 22Esta sua atitude de fé lhe foi creditada como justiça.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

EVANGELHO: Mt 1,16.18-21.24

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

16Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. 18A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho e lhe disse: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. 24Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado.  

– Palavra da salvação!

– Glória a vós, Senhor.

 

FONTE:   https://www.paulus.com.br/portal/liturgia-diaria/

Posts mais antigos «

Apoio: