Lisaac

Sementes de vida, ������© tempo de semear

«

»

mai 01

ESPAÇO TEOLÓGICO – O ANTIGO TESTAMENTO

ESPAÇO TEOLÓGICO - 3

ESPAÇO TEOLÓGICO –

No Espaço Teológico deste mês, vamos trazer para os nossos leitores e leitoras algumas pérolas de Dom Estevão Bettencourt – OSB, sobre o Antigo Testamento e as chaves necessárias para desvendar um pouco das tramas da Escritura neste ponto que, para muitos fieis, ainda é bastante confusa e até mesmo obscura.

Dom Estevão, em linguagem básica e de fácil compreensão, vai esclarecendo os meandros dos Livros que compõem o AT, ao mesmo tempo em que vai abrindo as portas para a Nova Aliança que, mais tarde, será conhecida como Novo Testamento.

As páginas que permitimo-nos transcrever de forma literal, compõem o livro “Para Entender o Antigo Testamento – Estevão Bettencourt  - Ed. Santuário. 9ª Reimpressão. Aparecida-SP: 2013. 286 páginas”, para onde remetemos nossos leitores e leitoras, a fim de terem em mãos a obra completa, já que, aqui, serão apresentados trechos previamente selecionados, apenas para transmitir a importância da matéria, esperando, sinceramente, despertar ávido interesse na completude da obra que é vendida nas grandes livrarias cristãs.  Na tentativa de poupar os leitores e as leitoras dos aspectos históricos a que se referem as páginas iniciais do livro acima descrito, vamos iniciar já no Capítulo V, sob o tema:

“O SIGNIFICADO DO ANTIGO TESTAMENTO”

*Por Dom Estevão Bettencourt –

"Não é raro ouvir-se a pergunta: “Qual o valor que, para o cristão ou, mais largamente, para o homem moderno, possa ainda ter a parte da Bíblia chamada o Antigo Testamento?" Parece ditada por mentalidade rude ou bárbara; suas histórias e afirmações, à primeira vista, entram em conflito com as normas do Evangelho, da honestidade ou da ciência moderna, provocando “escândalos” de ordem moral ou científica; não se vê, por conseguinte, o proveito que possa acarretar tal leitura.

A questão não é nova. Surgiu mesmo no início da era cristã, quando os homens perceberam que Jesus, o Messias, consumara a Revelação do Antigo Testamento. Assim Marcion, herege do séc. II, rejeitava categoricamente os livros sagrados dos israelitas, julgando que a figura do Deus que se apresenta como Amor e Pai no Evangelho é incompatível com a do Juiz rigoroso e punidor do Antigo Testamento.

Todavia foi nos nossos tempos que se desferiram os ataques mais violentos contra o Antigo Testamento. Adolf von Harnack (t 1930), por exemplo, escrevia:

“No séc. II, rejeitar (como fazia Marcion) o Antigo Testamento era uma falha, que a Grande Igreja fez bem de evitar; no séc. XVI, guardá-lo era uma necessidade fatal, à qual a Reforma (luterana) ainda não se podia furtar. Mas, após o séc. XIX, conservar ainda o Antigo Testamento no protestantismo, como se fosse um documento canônico, é o efeito de paralisia religiosa e eclesiástica”.[1]

A campanha contra o Antigo Testamento recrudesceu por influência dos credos raciais da sociologia moderna (nazismo, fascismo etc.). Na Alemanha, Rosenberg afirmava que a antiga Bíblia não é mais do que uma “coleção vergonhosa de histórias de proxenetas e bandoleiros”.

Não obstante as objeções, de aparência por vezes sólida, a Igreja não hesita em afirmar que o Antigo Testamento é Palavra de Deus imperecível, significativa, portanto, também para os nossos tempos. Sendo assim, interessa-nos, antes do mais, examinar qual o valor positivo que a Igreja ainda hoje atribui ao Antigo Testamento (caps. V e VI); a-seguir, consideraremos em particular algumas das dificuldades que mais desnorteiam o leitor de tal parte da Sagrada Escritura.

§ 1° - DIVERSAS ETAPAS E UMA SÓ META

Quem abre o Antigo Testamento defronta-se com notável variedade de escritos: livros de história, tradições populares, profecias, máximas de sabedoria, cânticos religiosos etc. Esta multiplicidade quer ser reduzida à unidade para poder manifestar o seu sentido autêntico. Com efeito, as variadas páginas do Antigo Testamento — diríamos mesmo: de toda a Sagrada Escritura — não fazem ressoar senão um tema: o da ALIANÇA DE DEUS COM OS HOMENS. A aliança é, conforme as páginas iniciais da Bíblia, travada com o primeiro homem logo depois da criação; este, porém, não a soube observar, violou-a; mas Deus, que não se deixa vencer em bondade, prometeu, após a ruptura, restaurar o pacto mediante novo homem dito “o Messias”. Isto faz com que toda a história, de então por diante, tome, do ponto de vista de Deus, o aspecto de etapas sucessivas a caminho da restauração prometida, etapas que terminam em Cristo e nos dons que comunicou aos homens. Por conseguinte também, todos os livros que Deus se dignou inspirar no decorrer dessa história, sejam crônicas, sejam leis, sejam profecias, direta ou indiretamente visam o Cristo e sua obra. É isto o que, em última análise, nos leva a dizer que toda a Escritura tem por tema único a Aliança de Deus com os homens ou também o Cristo e sua obra redentora, ora preparada e anunciada (Antigo Testamento), ora efetuada (Novo Testamento); é, sim, para o Messias que convergem os séculos antigos e é em função do Cristo que se desdobra a história religiosa atual.

Esta afirmação, ainda assaz genérica, pode ser aprofundada se se estuda de mais perto o texto do Antigo Testamento. Inegavelmente a história que ele nos apresenta é exuberante em personagens e fatos que excitam a fantasia e não sempre edificam o leitor. Tal aspecto, porém, não constitui senão a periferia do Antigo Testamento; o olho da fé pode e deve discernir, sob a face externa, o significado intrínseco de personagens e acontecimentos veterotestamentários; deve, em outros termos, procurar perceber o sentido que Deus atribuiu a tais figuras e episódios, pois não terá sido sem uma intenção superior que o Espírito de Deus fez com que tanta coisa fosse escrita sob o carisma da inspiração. Percorreremos, pois, abaixo, as diversas etapas da história sagrada sugeridas pelo próprio texto bíblico, procurando desvendar o significado que tem cada uma no plano de Deus.

O primeiro marco do Antigo Testamento compreende a cena do paraíso (Gn 1-3) caracterizada por três acontecimentos:

a) a PRIMEIRA ALIANÇA é travada entre Deus e o homem;[2]

b) violada, porém, pela criatura;

c) Deus a promete restaurar, estabelecendo inimizade entre a mulher e a serpente, a descendência da mulher e a da serpente (cf. Gn 3, 15). Isto implica que, após a queda original, a história, considerada à luz de Deus, tem dois grandes protagonistas que se disputam a hegemonia: de um lado, a serpente e sua linhagem, isto é, todos aqueles que lhe aderem (anjos maus e homens prevaricadores); de outro lado, a mulher e sua posteridade, isto é, Eva penitente e todos aqueles que, por graça de Deus, não pactuam com a serpente. São estas duas facções que lutam no mundo até o fim dos tempos, quando se consumará a vitória do Bem sobre o mal; é o jogo destes dois antagonistas (o bem de Cristo e o mal do Anticristo) que se espelha e traduz em todos os acontecimentos da vida tanto dos povos como dos indivíduos. Eis o aspecto muito simples, mas, ao mesmo tempo, muito dramático, que a história universal tem aos olhos de Deus.

Pode-se realmente dizer que nenhum acontecimento da história, por mais explicável que pareça à luz de fatores naturais ou mecânicos, carece de caráter religioso; guerras, fomes, doenças foram, sim, introduzidas no mundo pela rebeldia de Adão; são, pois, manifestações do reino do pecado ou de Satanás; doutro lado, os feitos de virtude e generosidade são dons do Redentor, manifestações ora mais claras, ora menos evidentes do reino de Cristo, tanto no indivíduo como na sociedade.” (Op. Cit. págs. 92/95).

No próximo mês, daremos continuidade a este tema sobre o Antigo Testamento, sempre com o intento de levar aos nossos leitores e leitoras traços de uma teologia construtiva e edificante, de modo que todos os filhos e filhas de Deus tenham acesso ao conhecimento da Palavra da forma mais simples e didática possível, no cumprimento da sentença de Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos tornará livres” (Jo 8, 32).

________________________________________________________ [1] Marcion (Leipzig, 1924), 217. [2] É o autor do Eclo 17, 12 quem fala de aliança concluída no paraíso entre Deus e os primeiros pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Apoio: