Lisaac

Sementes de vida, ������© tempo de semear

Arquivo por mês: dezembro 2017

dez 31

SALMO DE HOJE: LEIA, REFLITA E PRATIQUE

SALMO PARA 2018

SALMO DO DIA (31/12/2017) – CANTANDO OU RECITANDO, APROXIMA-TE DO SENHOR –

SALMO – Sl 127,1-2.3.4-5

R. Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

1 Feliz és tu se temes o Senhor

e trilhas seus caminhos!

2 Do trabalho de tuas mãos hás de viver,

serás feliz, tudo irá bem!

R. Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

3 A tua esposa é uma videira bem fecunda

no coração da tua casa;

os teus filhos são rebentos de oliveira

ao redor de tua mesa.

R. Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

4 Será assim abençoado todo homem

que teme o Senhor.

5 O Senhor te abençoe de Sião,

cada dia de tua vida.    

R. Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

 

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia/

 

dez 31

SEMANÁRIO DOMINICAL

PAULO DAHER

ÚLTIMO DOMINGO DO ANO – CONSAGRADO À SAGRADA FAMÍLIA –

 *Por Monsenhor Paulo Daher –

NO LIVRO DO ECLESIÁSTICO  3, 3-7.14-17a, o autor afirma que Deus  honra o pai e confirma a autoridade da mãe. Quem honra seus pais terá alegria com os próprios filhos e terá longa vida. Honra teu pai na velhice . A caridade feita aos pais jamais será esquecida.

O plano de Deus sobre o desenvolver da vida humana na e pela  família é perfeito. Fomos feitos para sermos acolhidos com carinho quando entramos na vida, Desenvolvemos no ambiente familiar nossas qualidades, sendo seguidos de perto por quem nos trouxe à vida, encaminhando-nos para assumir nossas responsabilidades pessoais.

Percebemos a dificuldade e o esforço de um casal quando não tendo filhos procura um para a adoção. Quando não estão buscando um consolo na presença de uma criança que não é sua, percebem como devem trabalhar em si mesmos para que o adotado possa se sentir filho deles. Para eles, novos pais, e para a criança para que compense a “orfandade”  há necessidade de um trabalho atento, cuidadoso para não ser caricatura de família.

Pela sabedoria de Deus, dentro da normalidade. um ser humano que vem ao mundo para ser acolhido, deve ser seguido passo a passo na novidade de cada dia.

No ventre da mãe o ser pequenino foi pouco a pouco desenvolvendo seu físico e psíquico até se tornar pronto para entrar no mundo, isto por força de um crescimento estabelecido por Deus. Ao sair para o mundo, continua a necessidade de ajudar o dia a dia do despertar da criança para o encontro com outras pessoas.

Quem trabalhar com argila para fazer um objeto que imaginou, deve orientar e controlar seus dedos, mãos para fazer um vaso perfeito. Não saber conduzir seus dedos e mãos para dar o formato certo, a consequência será um monte de barro sem definição, ou um vaso desengonçado..

O ser humano em formação precisa dos dedos, das mãos, da mente, do coração, das palavras dos gestos para ter a resposta devida na formação de seu caráter e de sua personalidade de quem deve ter atenção constante.

É por isso que os livros sapienciais em especial e outros momentos pedagógicos da Palavra de Deus valorizam o papel da família e de todos os responsáveis pela educação das crianças e jovens.

NA CARTA AOS COLOSSENSES 3, 12-21, o apóstolo afirma: vocês são os santos de Deus. Por isso devem ser misericordiosos, pacientes, sabendo perdoar. Amem-se uns aos outros. A palavra de Cristo habite em vocês. Agradeçam cantando salmos e hinos espirituais. Que os esposos se respeitem. Os filhos obedeçam e os pais respeitem seus filhos.

O teste mais prático para sabermos como somos ou como estamos indo é na vivência em família. É a primeira escola do aprendizado para a vida. E se a família é de mitos filhos,  logo de início os filhos como irmãos vão se exercitar numa melhor convivência. Vence-se mais depressa o egoísmo natural de sobrevivência que a criança tem.

As qualidades que o apóstolo mostra são da prática de cada dia quando encontramos com os outros.

Misericordioso: coração acolhedor, atitude aberta para estar bem com as pessoas.

Pacientes: o que nos falta tanto hoje. Somos muito apressados em ter o que queremos. E mal acostumados com a reação imediata com que a eletrônica responde ao nosso toque.

Saber perdoar: posso começar antes, se não levo em conta o que dizem e me fazem como ofensa ou mal para mim. Somos muito sensíveis ao que outros dizem de nós ou fazem a nós. Julgo as intenções sem nem as conhecer. Sentimo-nos ofendidos porque nos julgamos mais do que somos.

A consequência de trabalhar melhor nosso relacionamento é logo querer bem e o bem a qualquer pessoa. Pois se eu me aproximo de alguém já classificando as palavras, pensamentos, sua fisionomia... reajo mais à aparência do que à verdade.

Alguém disse para uma amiga; Que coisa! Encontrei uma colega; ela mostrou uma cara!...  A amiga respondeu: coitada! Porque? Ela está com a mãe muito mal e sozinha não está conseguindo ajudar no que devia... A outra: ah! Desculpe, eu nem sabia...

Nós seremos julgados por Deus mais pela maneira com que tratamos as pessoas...

EM LUCAS 2, 22-40, Maria e José levaram o menino ao templo para as cerimônias de purificação. Simeão homem justo esperava a consolação de Israel. O Espírito Santo lhe havia dito que ele iria ver o Salvador. Movido pelo Espírito Santo foi ao templo tomou o menino nos braços e cantou um hino de esperança e alegria pela chegada  do Salvador.

Simeão abençoou o Menino e predisse seus sofrimentos e os de sua mãe. Uma profetisa Ana já de idade e muito piedosa também louvou a Deus e reconheceu no Menino o Salvador. Depois das cerimônias voltaram para Nazaré. O menino crescia  forte, em sabedoria e a graça de Deus estava com ele.  

A vida religiosa de Maria e José é exemplo para nós.  Buscar momentos de silêncio e recolhimento para estar a sós com Deus tem grande valor em nossa vida religiosa. É essencial. Tudo o que fazemos em nossa vida, além de sobrevivência, deve levar-nos ao encontro com Deus.

Um  pai trabalha duro, se sacrifica para sustentar sua família, e se se limitar á noite a descansar o corpo e a cabeça, para depois dormir, para no dia seguinte continuar sua luta necessária, sua vida não terá sentido.

Tudo o que somos e fazemos é para poder nos encontrar depois como gente que se ama e se quer um bem valioso.

E ninguém também pode garantir seu bem estar, a realização de sua vida sem se relacionar com Deus. Um filho sem pai é órfão. Nunca somos órfãos em relação a Deus. Ele é sempre nosso Pai, amigo de todas as horas, fiel, bondoso, preocupado conosco, pode sempre fazer-nos felizes.

Assim como não posso viver sem respiração, sem meu coração bater espalhando vida e saúde para todo o meu corpo, não posso viver sem me relacionar com Deus. Ele nos mantém vivos, mas quer que sejamos muito amados dele e mostrar todo o nosso amor a Ele.

Jesus crescia em todos os sentidos. Quem não cresce torna-se anão. Esta observação é útil para nós. Tudo o que é vida, cresce e se desenvolve.

Há pessoas que limitam sua vida religiosa a rezar, a participar das missas, a pedir graças a Deus, e só.

Contentar-se só com o que nos ensinaram na infância, se não lemos nenhum livro, não conhecermos mais pessoas, teríamos uma vida monótona e dependente, não cresceríamos de fato.

A forma de assistência social que o governo dá: bolsa família, ajuda financeira para comprar o necessário, etc. puro assistencialismo. Afirmam: o povo saiu da pobreza. Mas não saiu da ignorância nem entrou no mundo do trabalho como no maior índice de analfabetos no nordeste assistido assim.

__________________________________
*Monsenhor Paulo Daher é Vigário Geral da Diocese de Petrópolis, e colabora enviando gentilmente seus comentários aos textos litúrgicos da semana.
 

dez 31

O MENINO CRESCIA EM SABEDORIA

sagrada família - 5

SAGRADA FAMÍLIA: O MENINO SANTO E SEUS PAIS TERRENOS –

*Por Frei Ludovico Garmus, ofm –

ORAÇÃO DO DIA: “O Deus de bondade, que nos destes a Sagrada Família como exemplo, concedei-nos imitar em nossos lares as suas virtudes, para que, unidos pelos laços do amor, possamos chegar um dia às alegrias da vossa casa”.

1. PRIMEIRA LEITURA: Eclo 3,3-7.14-17ª

Quem teme o Senhor, honra seus pais.

Com sabedoria a Igreja introduziu a Festa da Sagrada Família após o Natal do Senhor. A Sagrada Família neste ano é comemorada no domingo, dia 31/12. No Natal celebramos o nascimento do Filho de Deus, que assumiu em tudo nossa humanidade, menos o pecado. No Menino Jesus, Deus começa, de modo visível, a fazer parte da família humana. O Criador, que nos fez à sua “imagem e semelhança”, assume nossa frágil condição humana. Entrou na família humana para que nós pudéssemos participar de sua divindade, como filhos e filhas de Deus. Muito cedo os cristãos começaram a se interessar pela Sagrada Família de Nazaré. O apóstolo Paulo (54 d.C.), na Carta aos Gálatas, assim escreve: “Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher e sob a Lei (...), a fim de que recebêssemos a adoção de filhos”. Entre os anos 70 e 85, Mateus e Lucas introduzem seus Evangelhos com a narrativa sobre a origem humano-divina de Jesus Cristo, respondendo à pergunta que muitos cristãos se faziam a respeito da família de Jesus.

Na liturgia de hoje, a primeira leitura nos mostra quais eram as virtudes recomendadas pelo judaísmo, para uma vida familiar feliz e equilibrada. O texto hoje lido é do livro do Eclesiástico, um livro sapiencial escrito pelo ano 200 a.C. Recolhe conselhos sábios, vividos durante séculos no judaísmo e em outros povos. Inicialmente, o texto dirige-se aos filhos, estabelecendo princípios e dando motivações para um bom relacionamento com os pais (3,3-7). Já no início, o texto dá a chave de leitura do que segue: “Deus honra o pai nos filhos e confirma, sobre eles, a autoridade da mãe” (v. 3). Em outras palavras, quando os filhos honram e respeitam os pais estão fazendo a vontade de Deus; como podemos dizer que honramos e respeitamos a Deus, que é nosso Pai e Criador, se não honramos nem respeitamos os pais, que nos deram a vida? Seguem as motivações: Quem honra o pai recebe o perdão dos pecados e evita de cometer de novo; por cima, quando orar a Deus, será atendida sua oração. Quem respeita a mãe ajunta tesouros; provavelmente, os tesouros do amor. Terá a alegria com seus filhos, terá uma vida longa e deixará sua mãe feliz. Na continuação (v. 14-17), vem os conselhos, talvez mais exigentes, do respeito, amparo e amor, que os filhos devem aos pais idosos. Muito oportunos são os conselhos da primeira leitura para os tempos que estamos vivendo...

SALMO RESPONSORIAL: Sl 127

Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos.

2. SEGUNDA LEITURA: Cl 3,12-21

A vida da família no Senhor.

Paulo nunca visitou a comunidade de Colossos, fundada por Epafras e formada, sobretudo, por pagãos convertidos. O próprio Epafras é um convertido de Paulo em Éfeso (1,7) e lhe trouxe informações de Colossos. Paulo estava preso em Éfeso e foi informado por Epafras que reinava certo sincretismo religioso na comunidade. À luz destas informações, vistas como ameaçava à fé cristã, Paulo ditou a carta e, ao final, assinou-a de próprio punho (4,18). No trecho que nos foi lido hoje, Paulo insiste no amor de Deus que deve unir a comunidade e as famílias. Lembra aos colossenses que são amados por Deus, são seus escolhidos para serem santos. Como tais, são revestidos por Cristo para viver a misericórdia, a bondade, a humildade, a mansidão e a paciência, perdoando uns aos outros “como o Senhor os perdoou”. Vivendo unidos pela mesma fé, os cristãos formam um só corpo em Cristo. Quando a palavra de Cristo habita nos corações dos fiéis eles admoestam-se uns aos outros com sabedoria e, juntos, louvam a Deus com hinos, salmos, cânticos espirituais e de ação de graças. Por fim, Paulo se volta à pequena comunidade da família: a mulher cuide bem do marido e o marido trate sua esposa com delicadeza e com amor. Os filhos obedeçam aos pais e os pais os eduquem com firmeza e ternura.

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

Que a paz de Cristo reine em vossos corações

e ricamente habite em vós sua palavra!

3. EVANGELHO: Lc 2,22-40

O menino crescia cheio de sabedoria.

O menino nascido em Belém foi circuncidado no oitavo dia do nascimento, quando recebeu o nome de Jesus (Festa de 1º de janeiro). A mãe devia passar mais 33 dias para a purificação após o parto. Cumpridos os quarenta dias, José e Maria levam o menino ao Templo para apresentá-lo ao Senhor e cumprir os ritos previstos na Lei. Segundo a Lei, todo o primogênito todo o menino pertencia ao Senhor e devia ser resgatado por um sacrifício cruento. Quando o casal era pobre bastava oferecer um par de rolas ou dois pombinhos. Foi o que Maria e José fizeram. Havia ali um velhinho muito piedoso, chamado Simeão. Inspirado pelo Espírito Santo, ele dizia que não morreria antes de ver o Messias Salvador, a “Consolação de Israel”. Quando Simeão viu José e Maria com o menino, louvou a Deus e disse: “Agora, ó Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz”. - Na Anunciação, o Anjo Gabriel comunicava a Maria quem seria o filho que iria conceber: Filho do Altíssimo, filho de Davi (Messias prometido) e Filho de Deus. Agora, Simeão louva o Senhor e reconhece que a promessa de ver o Salvador se cumpria antes de ele morrer. Cumpria-se também a promessa ao povo de Israel, porque nasceu “a luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”. Maria e José ficaram admirados com as palavras de Simeão, que diz a Maria: O menino “será um sinal de contradição” e Maria haveria de sofrer por causa disso: “uma espada te traspassará tua alma”. Na ocasião, uma mulher chamada Ana, também se aproximou e começou a louva a Deus e falar “a todos a todos que esperavam a libertação de Israel”. Uma pergunta: São os pais que determinam o que serão os filhos?

____________________________________

* Frei Ludovico Garmus é Doutor em Exegese Bíblica, Professor de Exegese no Instituto Teológico Franciscano-ITF, em Petrópolis, escritor, conferencista e colabora com o nosso Blog, autorizando a reprodução de textos e de reflexões de sua autoria.
 

dez 31

NA LEITURA DO EVANGELHO, A FORÇA PARA A CAMINHADA!

APRESENTAÇÃO DE JESUS NO TEMPLO - 2

SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ – 31/12/2017 –

Evangelho (Lc 2,22-40)

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

22 Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a Lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor. 23 Conforme está escrito na Lei do Senhor: 'Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor.' 24 Foram também oferecer o sacrifício - um par de rolas ou dois pombinhos - como está ordenado na Lei do Senhor. 25 Em Jerusalém, havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso, e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 26 e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor. 27 Movido pelo Espírito, Simeão veio ao Templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a Lei ordenava, 28 Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29 'Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30 porque meus olhos viram a tua salvação, 31 que preparaste diante de todos os povos: 32 luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel.' 33 O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34 Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: 'Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35 Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma.' 36 Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37 Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos.  Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39 Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

–– Palavra da Salvação!

— Glória a vós, Senhor.

                                

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia

dez 31

MARIA, RAINHA DA FAMÍLIA: ROGAI POR TODOS NÓS!

ZÉ MARIA-2

SAGRADA FAMÍLIA – LIÇÕES DA FAMÍLIA DE NAZARÉ –

*Por Monsenhor José Maria Pereira –

No Domingo, após o Natal do Senhor, celebramos com alegria a Santa Família de Nazaré. O contexto é o mais adequado, porque o Natal é por excelência a festa da família. Deus quis manifestar-se aos homens, integrado numa família humana. Ele quis nascer numa família, quis transformar a família num presépio vivo. Pode-se dizer que hoje celebramos o verdadeiro Dia da Família!

A Palavra de Deus em (Eclo. 3, 3 – 7. 14 – 17) lembra aos filhos o dever de honrarem pai e mãe, de socorrê-los e compadecer-se deles na velhice, ter piedade, isto é, respeito e dedicação para com eles; isto é cumprimento da vontade de Deus.

São Paulo, em Cl 3, 12 – 21, enumera as virtudes que devem reinar na família: sentimentos de compaixão, de bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportar-se uns aos outros com amor, perdoar-se mutuamente. Revestir-se de caridade e ser agradecidos. Se a família não estiver alicerçada no amor cristão, será muito difícil a sua perseverança em harmonia e unidade de corações. Quando esse amor existe, tudo se supera, tudo se aceita; mas, se falta esse amor mútuo, tudo se faz sumamente pesado. E o único amor que perdura, não obstante os possíveis contrastes no seio da família, é aquele que tem o seu fundamento no Amor de Deus.

A Sagrada Família é proposta pela Igreja como modelo de todas as famílias cristãs: na casinha de Nazaré, Deus ocupa sempre o primeiro lugar e tudo Lhe está subordinado.

Os lares cristãos, se imitarem o da Sagrada Família de Nazaré, serão lares luminosos e alegres, porque cada membro da família se esforçará em primeiro lugar por aprimorar o seu relacionamento pessoal com o Senhor e, com espírito de sacrifício, procurará ao mesmo tempo chegar a uma convivência cada dia mais amável com todos os da casa.

A família é escola de virtudes e o lugar habitual onde devemos encontrar a Deus.

Cada lar cristão tem na Sagrada Família o seu exemplo mais cabal; nela, a família cristã pode descobrir o que deve fazer e como deve comportar-se, para a santificação e a plenitude humana de cada um dos seus membros. Diz o Papa Paulo VI: “Nazaré é a escola onde se começa a compreender a vida de Jesus: a escola do Evangelho. Aqui se aprende a olhar, a escutar, a meditar e a penetrar o significado, tão profundo e tão misterioso, dessa muito simples, muito humilde e muito bela manifestação do Filho de Deus entre os homens. Aqui se aprende até, talvez insensivelmente, a imitar essa vida”.

A família é a forma básica e mais simples da sociedade. É a principal escola de todas as virtudes sociais. É a sementeira da vida social, pois é na família que se pratica a obediência, a preocupação pelos outros, o sentido de responsabilidade, a compreensão e a ajuda mútua, a coordenação amorosa entre os diversos modos de ser. Está comprovado que a saúde de uma sociedade se mede pela saúde das famílias. Esta é a razão pela qual os ataques diretos à família (como divórcio, aborto, união de pessoas do mesmo sexo) são ataques diretos à própria sociedade, cujos resultados não tardam a manifestar-se.

O Messias quis começar a sua tarefa redentora no seio de uma família simples, normal. O lar onde nasceu foi a primeira realidade humana que Jesus santificou com a sua presença.

“Queridas famílias, não deixeis que o amor, que a abertura à vida e os vínculos incomparáveis que unem o vosso lar se desvirtuem. Pedi por isto constantemente ao Senhor, orai juntos, para que os vossos propósitos sejam iluminados pela fé e enaltecidos pela Graça divina no caminho rumo à santidade. Deste modo, com a alegria do vosso compartilhar todo o amor, dareis ao mundo um maravilhoso testemunho de quanto a família é importante para o ser humano e para a Sociedade. O Papa está ao vosso lado, pedindo sobretudo ao Senhor por quantos em cada família têm mais necessidade de saúde, de trabalho, de conforto e de companhia.” (Papa Bento XVl, Angelus, 28 dezembro de 2008).

Hoje, de modo muito especial, pedimos à Sagrada Família por cada um dos membros da nossa família e pelo mais necessitado dentre eles.

Maria, Rainha da Família, rogai por nós!

____________________________________________
*Mons. José Maria Pereira, Sacerdote da Diocese de Petrópolis, é, também, Professor, Juiz do Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Niterói e Diocesano de Petrópolis e Vigário Paroquial de Nossa Senhora de Fátima  enviando para o Blog, semanalmente, a homilia do domingo.

dez 31

LITURGIA DA PALAVRA: TRAÇOS DO SERVIÇO

SAGRADA FAMÍLIA - 2017

LEITURAS SUGERIDAS PARA HOJE – SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ – 31/12/2017 –

PRIMEIRA LEITURA

LEITURA DO LIVRO DO ECLESIÁSTICO – (Eclo 3,3-7.14-17a) –

3 Deus honra o pai nos filhos e confirma, sobre eles, a autoridade da mãe. 4 Quem honra o seu pai, alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração quotidiana. 5 Quem respeita a sua mãe é como alguém que ajunta tesouros. 6 Quem honra o seu pai, terá alegria com seus próprios filhos; e, no dia em que orar, será atendido. 7 Quem respeita o seu pai, terá vida longa, e quem obedece ao pai é o consolo da sua mãe. 14 Meu filho, ampara o teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive. 15 Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo para com ele; não o humilhes, em nenhum dos dias de sua vida, a caridade feita a teu pai não será esquecida, 16 mas servirá para reparar os teus pecados 17a e, na justiça, será para tua edificação.

– Palavra do Senhor!

– Graças a Deus.

SALMO RESPONSORIAL

–  Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

–  Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

SEGUNDA LEITURA

LEITURA DA CARTA DE SÃO PAULO AOS COLOSSENSES (Cl 3,12-21)

Irmãos: 12 Vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, 13 suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente, se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também. 14 Mas, sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição. 15 Que a paz de Cristo reine em vossos corações, à qual fostes chamados como membros de um só corpo. E sede agradecidos. 16 Que a palavra de Cristo, com toda a sua riqueza, habite em vós. Ensinai e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria. Do fundo dos vossos corações, cantai a Deus salmos, hinos e cânticos espirituais, em ação de graças. 17 Tudo o que fizerdes, em palavras ou obras, seja feito em nome do Senhor Jesus Cristo. Por meio dele dai graças a Deus, o Pai. 18 Esposas, sede solícitas para com vossos maridos, como convém, no Senhor. 19 Maridos, amai vossas esposas e não sejais grosseiros com elas. 20 Filhos, obedecei em tudo aos vossos pais, pois isso é bom e correto no Senhor. 21 Pais, não intimideis os vossos filhos, para que eles não desanimem.

Palavra do Senhor! 

– Graças a Deus. 

                                

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia

dez 30

SALMO DE HOJE: LEIA, REFLITA E PRATIQUE

SALMOS - 2017-A

SALMO DO DIA (30/12/2017) – CANTANDO OU RECITANDO, APROXIMA-TE DO SENHOR –

SALMO – Sl 95 (96), 7-8a. 8b-9. 10

R. O céu se rejubile e exulte a terra!

7 Ó família das nações, dai ao Senhor,

ó nações, dai ao Senhor poder e glória,

8a dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! 

R. O céu se rejubile e exulte a terra!

8b Oferecei um sacrifício nos seus átrios,

9 adorai-o no esplendor da santidade,

terra inteira, estremecei diante dele! 

R. O céu se rejubile e exulte a terra!

10 Publicai entre as nações: 'Reina o Senhor!'

Ele firmou o universo inabalável,

e os povos ele julga com justiça.    

R. O céu se rejubile e exulte a terra!

 

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia/

   

dez 30

NA LEITURA DO EVANGELHO, A FORÇA PARA A CAMINHADA!

APRESENTAÇÃO DE JESUS NO TEMPLO

6º DIA NA OITAVA DO NATAL – SÁBADO – 30/12/2017 – 

“Toda pessoa que faz da sua vida um serviço a Deus vive a alegria do encontro com ele. Com Ana não foi diferente. Depois de oitenta e quatro anos vividos na busca da realização da vontade de Deus, ela tem a alegria do encontro pessoal com ele. Mas Ana não fica com essa alegria só para ela; sai anunciando a todos que aquele menino é a resposta do próprio Deus a todos os que esperam a verdadeira libertação. E este anúncio é acompanhado do reconhecimento do amor de Deus, que é fiel às suas promessas, através do louvor a ele” 

Evangelho (Lc 2,36-40)

O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo  segundo São Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo: 36 Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37 Depois ficara viúva, e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do Templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39 Depois de cumprirem tudo, conforme a Lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele. 

–– Palavra da salvação!

— Glória a vós, Senhor.

                                

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia

 

dez 30

LITURGIA DA PALAVRA: TRAÇOS DO SERVIÇO

LITURGIA PARA O ANO NOVO

LEITURA SUGERIDA PARA HOJE – SÁBADO – 6º DIA DA OITAVA DO NATAL – 30/12/2017 –

LEITURA DA PRIMEIRA CARTA DE SÃO JOÃO – (1Jo 2,12-17) –

12 Eu vos escrevo, filhinhos:  os vossos pecados foram perdoados  por meio do seu nome.  13 Eu vos escrevo, pais: vós conheceis aquele que é desde o princípio.  Eu vos escrevo, jovens: vós vencestes o Maligno.  14 Já vos escrevi, filhinhos: vós conheceis o Pai.  Já vos escrevi, jovens: vós sois fortes,  a Palavra de Deus permanece em vós, e vencestes o Maligno.  15 Não ameis o mundo, nem o que há no mundo.  Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai.  16 Porque tudo o que há no mundo  - as paixões da natureza, a concupiscência dos olhos  e a ostentação da riqueza -  não vem do Pai, mas do mundo. 17 Ora, o mundo passa,  e também a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus  permanece para sempre.       

- Palavra do Senhor!

– Graças a Deus.

                                

FONTE: http://www.catolicoorante.com.br/liturgia

dez 25

NATAL DE 2017

Maria, Mãe de Deus

NATAL DE 2017 – DIA 25

*Por Frei Ludovico Garmus, ofm –

ORAÇÃO: “Ó Deus, que admiravelmente criastes o ser humano e mais admiravelmente restabelecestes a sua dignidade, dai-nos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade”.

PRIMEIRA LEITURA: Is 52,7-10

Os confins da terra contemplaram

a salvação que vem do nosso Deus.

Os reis de Israel e de Judá não conseguiram trazer a salvação ao povo. Em consequência, o reino de Israel foi destruído pelos assírios e boa parte de sua população, levada para o exílio, ao norte da Assíria (772 a.C.). O mesmo aconteceu entre 597 e 585 a.C, com o reino de Judá, cuja população foi levada ao exílio pelo novo dominador, o rei de Babilônia. Os profetas Jeremias, Ezequiel e os autores deuteronomistas interpretam o dramático fim dos reinos de Israel e de Judá, como punição divina pelas infidelidades e crimes cometidos pelos governantes dos dois reinos. Passada uma geração no exílio, os discípulos do profeta Isaías, à luz da fé em Javé, Deus de Israel e de Judá, leem os novos acontecimentos políticos de seu tempo: O domínio dos babilônios agonizava e um novo domínio surgia, o do Império persa. Estes profetas erguem então sua voz, em meio ao desânimo dos exilados, e levantam a bandeira da esperança. Agora, nosso Deus vai por um fim à dominação de Babilônia. Ciro, rei dos persas, será o instrumento nas mãos de Deus para punir os cruéis babilônios e executar o seu plano de salvação. Deus mesmo vai consolar o seu povo sofredor. Vai trazer seu povo de volta à sua terra e as ruínas de Jerusalém serão reconstruídas. Então, todas as nações saberão que “a salvação vem do nosso Deus”.

SALMO RESPONSORIAL: Sl 97

Os confins do universo contemplaram

a salvação do nosso Deus.

2. SEGUNDA LEITURA: Hb 1,1-6

Deus falou-nos por meio de seu Filho.

Na revelação cristã, Deus não é um ser solitário. Deus é comunhão de três pessoas: Pai, filho e Espírito santo. Deus é Amor. É Amor que se comunica “dentro de si” mesmo. Deus é Amor que se expande para “fora” de si mesmo, enquanto cria o universo, cria todos os seres vivos de nosso planeta Terra. Cria o ser humano à sua imagem e semelhança, comunica-se com ele e o convida a entrar na comunhão de seu amor. No passado – diz o autor da Carta aos Hebreus – Deus se comunicava com seu povo por meio dos profetas. Por meio deles exortava o povo à fidelidade, à conversão e lhe anunciava a salvação. Agora, Deus se comunica conosco por meio de seu Filho, o herdeiro de todas as coisas, o criador do universo e o esplendor de sua glória. Pelo poder de sua palavra sustenta o universo e nos purifica dos pecados. Como filho de Deus, o cristão deve ser o reflexo de Cristo, que é “o esplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser” (v. 3). Em Jesus Cristo cumpre-se a promessa feita a Davi: “Eu serei para ele um pai, e ele será para mim um filho” (2Sm 7,14). O Filho de Deus, ao assumir no seio da Virgem Maria a “carne” humana, tornou-se nosso irmão. O autor de Hebreus afirma isso muito bem: “Por isso, Jesus não se envergonha de chamá-los de irmãos” (2,11). Que maravilha! Deus que nos criou se fez nosso irmão! Vinde, adoremos!

ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

Despontou o santo dia para nós:

Ó nações, vinde adorar o Senhor Deus,

porque hoje grande luz brilhou na terra!

1. EVANGELHO: Jo 1,1-18

A Palavra se fez carne e habitou entre nós.

Deus é Amor, é comunicação. No passado Deus se comunicava com seu povo pelos profetas. Agora se comunica conosco pelo seu próprio Filho, a Palavra feita carne. A Palavra, no princípio, estava junto de Deus (v. 1-2), era o próprio Deus, que amor-comunicação. Deus, que é amor-comunicação, se expande para “fora” de si mesmo como criador do universo. Por Jesus, a Palavra feita carne, tudo foi feito (v. 3) e agora são dadas a graça e a verdade (v. 17). Na Palavra estava a vida e a vida era a luz dos homens, luz que brilha em meio às trevas (v. 4-5). Ela é a Luz que veio a este mundo. Há os que rejeitaram esta Luz (v. 5.9-11). Mas a nós que cremos e a recebemos, nos é dada a plenitude da graça (v. 16), nos é dado o poder de nos tornarmos filhos de Deus (v. 12). Tudo aconteceu porque a Palavra, o Filho de Deus, “se fez carne e habitou entre nós” (v. 14). Louvemos a nosso Deus que assumiu a fragilidade de nossa carne, para fazer em nós a sua morada!

Oração pós-comunhão: “Ó Deus de misericórdia, que o Salvador do mundo hoje nascido, como nos fez nascer para a vida divina, nos conceda também sua imortalidade”.

______________________________________________________

* Frei Ludovico Garmus é Doutor em Exegese Bíblica, Professor de Exegese no Instituto Teológico Franciscano-ITF, em Petrópolis, escritor, conferencista e colabora com o nosso Blog, autorizando a reprodução de textos e de reflexões de sua autoria.

Posts mais antigos «

Apoio: